indique share   share   share   share   share   share   share   share   share   share   share  

www.deolhonabolsa.com.br

Dólar, China e Ibovespa no Curto ou Médio Prazo

Sebastião Buck Tocalino,
9 de novembro de 2014

Eu comecei a escrever sobre ações em 2005. Naqueles anos, o movimento do mercado dava margem para maior otimismo e eu escrevia apenas sobre ações brasileiras em emails dirigidos para alguns profissionais, colegas traders, amigos e parentes. Quem leu só o que escrevi e publiquei de uns tempos para cá (Simples Aritmética, Futuro do Pretérito, Alerta ao Brasil) pode até achar que sou um pessimista. É importante observar a diferença entre SER e ESTAR. Outro detalhe óbvio, que pode ser esquecido pelo leitor mais cético e entusiasmado, é que o mercado financeiro seria provavelmente o último lugar onde encontraríamos pessimistas. Só um masoquista (com uma bela fortuna para torrar) investiria em alguma coisa sem cultivar quaisquer perspectivas positivas de retorno. Investidores são pessoas predominantemente otimistas. A palavra chave é predominantemente, uma vez que só amadores são invariavelmente otimistas! No longo prazo, o mercado exige de seus participantes um otimismo sempre pautado por realismo e imparcialidade. Qualquer um que acredite que investimento é comprar ativos para o longo prazo, desprezando importantes sinais de mudanças nas perspectivas para a economia, não é um investidor de verdade. Nem mesmo uma pessoa razoavelmente informada sobre investimentos. Quando muito, foi apenas beneficiado e mal acostumado pela sorte no passado. Se a ilusão de comprar ações para carregá-las até a aposentadoria já se mostrava historicamente perigosa (vide Rock 'n' Roll no Mercado!), agora é ainda mais importante compreender que essa não é uma estratégia válida para a segurança futura do seu patrimônio, mas sim uma falta de estratégia! Limitar eventuais prejuízos com stops predefinidos é uma lição básica e importante de investimento - e não pode ser esquecida!

Ao escrever Enquanto a Música Toca (em 16/jun/2014) eu alertava que, independente de minha percepção dos sérios problemas econômicos globais para o longo prazo, ironicamente os mercados poderiam apresentar força suficiente para continuar avançando ladeira acima. Na ocasião, o Ibovespa estava aos 54.806 pontos e o S&P500 aos 1.936 pontos. De fato, dois meses e meio depois, em 3/set/2014, o Ibovespa viria a alcançar os 62.304 e o S&P500 superaria a importante barreira dos 2.000 pontos. Um ganho de 13,68% para o índice brasileiro e de 3,77% para o norte-americano. Nos EUA, o ETF em dólares de ações brasileiras (EWZ) subiu 8,78%!

De setembro para cá, os mercados apresentaram maior volatilidade. O dólar engasgou-se em outubro e agora rompeu acima dos R$ 2,50. Outubro foi um mês difícil! Enquanto o S&P500 caiu feio (até os 1.820 pts em 15/out/2014) para depois quicar forte, marcando novo recorde de fechamento aos atuais 2.031 pontos, o mercado brasileiro não se recuperou ainda dos resultados eleitorais. O Ibovespa murchou até seus 48.722 pontos e, surpreendendo os eleitores mais frustrados, reergueu-se até os atuais 53.222 pontos. Nos EUA, o EWZ com ações brasileiras cotado agora a US$40,98 já perdeu 24% do seu valor em dois meses, desde o pico de US$54,56 em 3/set/2014.

Mas o que podemos esperar daqui para frente? Observemos os importantes gráficos abaixo (todos em velas semanais):

Dólar Index

O dólar encontra-se próximo de duas resistências importantes: a linha superior do seu canal de alta (iniciado em 2010) e o nível semelhante dos topos históricos de 2008, 2009 e 2010. Se respeitar essas resistências, o dólar poderá recuar por algum tempo. Essa mudança temporária na tendência de apreciação da moeda americana poderia favorecer as ações brasileiras.

Xangai Index - ações na China

O índice de Xangai também formou um canal de 2009 para cá. Nesse caso, o canal é de baixa. Estando também cotado perto da linha superior do canal, há a possibilidade de respeitá-la e voltar a descer. No entanto, se romper o canal de baixa, a China poderá dar novo gás às ações por aqui e na maior parte do mundo.

É claro que o resultado poderia ser exatamente o inverso em ambos os casos ilustrados acima, prejudicando muito o desempenho do Ibovespa. Mas, uma vez que os fundamentos macroeconômicos de longo prazo ainda me parecem bastante temerosos, vou me concentrar apenas em alguns indícios interessantes da análise técnica. Seus resultados para o curto e médio prazo são geralmente mais gratificantes.

Os quatro gráficos abaixo mostram rompimento de suas Linhas de Tendência de Baixa (LTBs de 2012 a 2014) já com um buyer's remorse completo (o recuo testando agora como suporte aquela mesma linha rompida) e podem estar prontos para um repique altista:

Índice Ibovespa e EWZ (ETF de ações brasileiras em dólares

 

ADRs do Itaú Unibanco

 

ADRs da Petrobras

Já a mineradora Vale vem sofrendo bastante com os menores preços do minério de ferro, mas talvez encontre algum suporte na linha inferior do seu canal de baixa, coincidindo com o nível da sua cotação mínima registrada durante a crise de 2008.

Índice Ibovespa e EWZ (ETF de ações brasileiras em dólares

Assim, talvez o Sr. Touro saia saltando com o Brasil agarrado ao lombo por mais algum tempo... (Enquanto o Sr. Urso não vem!)

Quem quiser apostar em talvez mais essa oportunidade, só não se esqueça do STOP LOSS e do STOP MÓVEL! Essas ferramentas também nos poupam do desgaste emocional de abortar pessoalmente qualquer operação frustrada.

 

Copyright © Sebastião Buck Tocalino - Todos os direitos reservados.

www.deolhonabolsa.com

português confira outros textos   -   check out further readings English

indique share   share   share   share   share   share   share   share   share   share   share  

A bolsa estimula a cidadania!

Compartilhe este texto por email ou pelo LinkedIn, Twitter, Facebook, Google+ e outras redes.

ATENÇÃO: Quaisquer opiniões expressas pelo autor são naturalmente subjetivas e sujeitas a polêmica.
Esta não é uma recomendação de investimento! Os dados visualizados aqui procedem de outras fontes, a princípio fidedignas, de boa reputação e acessíveis ao mercado.
De Olho Na Bolsa não faz indicações de compra ou venda, ou de negócios de qualquer espécie, e não está autorizada a atuar como consultoria de valores mobiliários. Não nos responsabilizamos por decisões tomadas com base nas informações aqui reunidas.
INVESTIMENTOS EM AÇÕES ENVOLVEM RISCOS! Para sua maior segurança, procure sua corretora. Ela poderá ajudá-lo a avaliar riscos e oportunidades em negócios com valores mobiliários.