indique share   share   share   share   share   share   share   share   share   share   share  

www.deolhonabolsa.com

Torcendo pelo Brasil

Sebastião Buck Tocalino,
23 de junho de 2010

Eu torço pelo Brasil!

Na verdade, não vi os jogos da nossa seleção. Nem o primeiro, nem o segundo, senão por alguns lances e sem demasiada atenção. Não sou fã de futebol e me desiludo com brasileiros cujo patriotismo parece se limitar à torcida pelo Brasil em campeonatos internacionais. Fico frustrado ao ouvir brasileiros dizendo que "não tem país como o Brasil!". Não é que eu não ame essa terra ou não queira que nosso país tenha uma melhor projeção lá fora, pelo contrário: eu gostaria que o Brasil se destacasse por razões muito mais meritórias, dignas e salutares para nosso povo. Eu não me orgulho de que uma das profissões mais bem pagas e cobiçadas pela massa de jovens brasileiros seja a de jogador de futebol, ou de que esta seja uma das poucas oportunidades para um jovem sair da miséria neste país. Nem há orgulho quando alguns jogadores ricos e populares são vistos entre traficantes de armas e drogas em baladas funks no morro. Nem sequer compreendo como torcidas rivais se enfrentam e se matam em nome de seus times, quando os próprios jogadores estão continuamente trocando de clube - visando muito mais o dinheiro do que qualquer vínculo de fidelidade à camisa ou à paixão cega de seus torcedores. E, acima de tudo, esporte deve ser praticado como atividade física, que consome calorias e libera endorfina promovendo saúde e bem estar, e não fanatizado por uma multidão à procura de doses de testosterona e adrenalina que a alienem ainda mais perante nossa realidade política, social e econômica que permanece tão aquém do potencial.

Eu torço pelo Brasil, sim!

Torço pela melhor educação do nosso povo: escolar, moral e cívica. Torço pela elevação do nosso nível técnico, cultural e profissional; para que a criminalidade e a violência retrocedam urgentemente; para que políticos corruptos deixem de saquear a nação; para que a popularidade de um presidente não seja proporcional à quantidade de referências futebolísticas em seu discurso; para que o otimismo deixe de ser desinformado ou bairrista; para que o empreendedorismo deixe de ser mal visto e punido por impostos abusivos; para que a economia de nosso país não seja lastreada em riquezas do solo e do subsolo; e para que a estratégia nacional de desenvolvimento se concentre na formação de capital humano (muito mais importante do que terras férteis ou reservas do pré-sal - haja vista a história de Taiwan, Coréia do Sul, Cingapura, Japão, Nova Zelândia, Dinamarca, Noruega, Finlândia, Suécia... Países bem menores, quando não ilhas, cujo progresso foi muito mais fruto da capacitação de seus recursos humanos, do que da exportação de seus recursos naturais).

Grande abraço para você, brasileiro consciente que também torce de verdade pelo nosso Brasil!

de olho no Brasil

Copyright © Sebastião Buck Tocalino - Todos os direitos reservados.

www.deolhonabolsa.com

português confira outros textos   -   check out further readings English

indique share   share   share   share   share   share   share   share   share   share   share  

A bolsa estimula a cidadania!

Compartilhe este texto por email ou pelo LinkedIn, Twitter, Facebook, Google+ e outras redes.

ATENÇÃO: Quaisquer opiniões expressas pelo autor são naturalmente subjetivas e sujeitas a polêmica.
Esta não é uma recomendação de investimento! Os dados visualizados aqui procedem de outras fontes, a princípio fidedignas, de boa reputação e acessíveis ao mercado.
De Olho Na Bolsa não faz indicações de compra ou venda, ou de negócios de qualquer espécie, e não está autorizada a atuar como consultoria de valores mobiliários. Não nos responsabilizamos por decisões tomadas com base nas informações aqui reunidas.
INVESTIMENTOS EM AÇÕES ENVOLVEM RISCOS! Para sua maior segurança, procure sua corretora. Ela poderá ajudá-lo a avaliar riscos e oportunidades em negócios com valores mobiliários.